Meditando – A páscoa e as mulheres
20/04/2014
Meditando – Mais tolerância
24/04/2014

Etiqueta – Pondo o beijo em questão

Hoje falaremos sobre o beijo de cumprimento.

Há sempre aqueles que nunca sabem se devem cumprimentar alguém que, está conhecendo pela primeira vez, com um aperto de mão, um abraço, ou com um beijo. E se deve ser apenas um, dois, ou até três beijos.

Vamos entender uma coisa.

A mulher é quem define isso. É sempre a mulher quem mostrará como deverá ser cumprimentada.

Somos nós, quem colocamos esse limite de até onde o outro pode ir no cumprimento.

Se quisermos cumprimentar com um aperto de mão apenas, estendemos a mão para a outra pessoa deixando o corpo mais distante.

Ao homem cabe observar e respeitar isso. E nunca ultrapassar.

Mas o homem também pode negar aquele tipo de cumprimento se o considerar indevido.

Por exemplo, se uma mulher for cumprimenta-lo com um beijo e ele não considera conveniente, ele pode estender a mão e cumprimentar só com o aperto de mão. Mas somos nós mulheres que mostramos até onde podem ir.

Aliás, ao meu ver, se estamos conhecendo uma pessoa do sexo oposto pela primeira vez, não acho nada apropriado já ir cumprimentando com um beijo.

Acho esse cumprimento intimo demais, pra fazer com quem mal conhece e não tem nenhum tipo de intimidade.

O ideal é cumprimentar com um aperto de mão apenas.

E em muitos casos, na maioria na verdade, prefiro manter o cumprimento com o sexo oposto apenas com um aperto de mão, pra não gerar um nível maior de intimidade.

Deixe pra cumprimentar com um beijo no rosto, apenas os do sexo oposto que são da sua família e amigos bem chegados, e até para os amigos só em alguns casos.

Quanto á quantidade de beijos, isso varia de lugar pra lugar, há estados aqui no Brasil, como em São Paulo, em que usa-se apenas um beijo, há outros estados em que usa-se dois e até três. No meu entender, um beijo já é o suficiente. Pra que dar mais de um? Afinal, com um beijo já cumprimentou.

Claro que cada um entende isso de uma forma. Cabe a você colocar na balança o que foi dito e então adotar ou não.

Até a próxima dica.

Denise Angeli
Denise Angeli
Sou cristã, casada e mamãe da Lisinha. Formada em Gestão de Recursos Humanos. Uma amante da arte, da linguagem e da educação. Ao lado de meu marido pastoreamos a Igreja Ágape Sede, onde atuo como líder do Ministério Adorai e Ministério infantil. Gosto de trabalhar para ajudar as pessoas. Tenho um objetivo que sigo sem descanso: Ser melhor a cada dia. Amo ler a Bíblia e vivo minha fé. Nem sempre falo dela diretamente, mas as coisas que falo e faço tem este fundamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *