Amor ao primeiro risco a mais
18/07/2016
A medida pra conquistar e ser feliz
27/07/2016

O segundo tratamento

Depois de 11 meses me tratando com Allurene (você confere o artigo onde conto como foi meu tratamento com Allurene clicando aqui.), mudei de medicamento.

Infelizmente o Allurene não teve resultado positivo no meu organismo. As dores continuaram e na busca por melhora, meu médico me receitou o Zoladex.

Após ter o receituário em mãos, fui em busca de consegui-lo pelo SUS. O Zoladex custa muito caro, e na época estava na casa dos R$1500,00 se não me engano.

Há o Zoladex 3,6 e o Zoladex 10,8, sendo o primeiro pra ser tomado mês a mês e o segundo a cada 3 meses. Meu médico optou pela dose trimestral. O custo citado acima foi referente a dose trimestral.

O segundo tratamento

Precisava de 2 doses, tendo um intervalo de 3 meses entre a primeira e a segunda.

Não foi tão fácil conseguir o medicamento, porque essas coisas do governo tendem a demorar um pouco, mas até que não foi tanto assim, graças a Deus!

Quando recebi a notícia que teria de mudar para o Zoladex senti muito medo. Já tinha ouvido falar péssimas coisas a respeito dele e confesso que senti um medo que levou as lágrimas algumas vezes.

Mais uma vez entrar em nova medicação, sem saber como meu organismo reagiria, se seria eficaz, e quais efeitos colaterais teria de enfrentar, uma vez que ainda sentia na pele os efeitos do Allurene.

Mas eu não tinha muito o que fazer a não ser procurar me manter calma. Esperar que dessa vez o resultado fosse melhor e a passagem pelos efeitos colaterais menos agressivos.

Apesar das vezes que chorei, meu choro era sempre seguido de um consolo tão amoroso. Me sentia segura sabendo que minha vida estava guardada no Senhor e que Ele não me deixaria sozinha jamais. E que ainda que dias difíceis me viessem pela frente, Ele me traria o alívio, e me acalmaria o coração e o corpo no meio da tempestade de sentimentos e dores físicas.

Ele foi meu maior apoio no percurso com a endometriose. E não só referente a essa doença tão chata, mas com relação a tudo nessa vida. Ele sempre esteve comigo e certa estava de que continuaria sendo minha força contínua.

Chegou o dia em que peguei a primeira dose e fui com meu marido a uma farmácia pra que fosse feita a aplicação. Até isso foi um tanto difícil, pois nem toda farmácia tinha alguém capaz para a aplicação. Mas acabei achando uma farmácia com um farmacêutico amigável e experiente.

Confesso que quando vi a agulha me deu uma pitada e tanto de desespero. A agulha não é como aquelas de injeção que a gente está acostumada a ver quando vai tomar uma bezetacil, por exemplo.

Respirei fundo, me agarrei as mãos do meu marido e a aplicação foi feita. Um tanto incomodo é verdade, mas agora estava feito. Não tinha mais como fugir da medicação no meu organismo pelos próximos 3 meses.

Isso assustava, mas também trazia o alívio de não ter que tomar comprimidos todo santo dia, o que sinceramente já andava cansada e sempre corria o risco de me esquecer vez ou outra.

A barriga ficou meio dolorida da aplicação, mas em alguns dias passou. Pra quem não sabe o Zoladex é aplicado na barriga.

Dias depois senti um calorão invadir o corpo e mesmo o inverno não conseguia conter tamanho calor. Acordava no meio da noite ensopada de suor, jogava o cobertor pra longe e ligava o ventilador.

Pra onde eu fosse tinha que ter um ventilador, um leque, ou alguma coisa pra me abanar. Gente, que calor era aquele?

Bem que falam que não é fácil passar pela menopausa. E nós sendo portadoras de endometriose passamos por isso pelo menos 2 vezes na vida.

Durante os três meses que se seguiram vi as dores melhorem um pouco, não foi total, mas era bem perceptível. Os efeitos colaterais não foram tão intensos quanto o do Allurene, apenas o calor era insuportável.

Uma pontinha de outro medo também me sondava, o medo de engordar. Quantos relatos já havia ouvido de pessoas que ganharam mais de 20 kilos durante o tratamento e que não conseguiram perder depois do termino. Comprei uma balança e ficava monitorando diariamente.

Não fiz nenhum tipo de dieta, mas sempre fui do tipo de não come besteiras. Acredito que isso tenha colaborado pra não ganhar peso. Não ganhei um kilo sequer durante aqueles 3 primeiros meses.

Passados os 3 meses, tomei a segunda dose do Zoladex e com a segunda dose vi a dor da endometriose cessar! Pensa na minha alegria. Finalmente me via sem dor alguma. E sem nenhum outro efeito colateral além do terrível calor sem fim. Eu estava sem dor, parecia sonho!

Conclui os 6 meses de tratamento com as duas doses do Zoladex, e voltei ao médico com a grande notícia de estar sem dor alguma.

Porém, minha caminhada com o Zoladez teria de ser interrompida por ali. Não é aconselhável fazer mais do que duas doses desse medicamento pra não comprometer a saúde óssea. Por isso, seguimos com um terceiro tratamento na esperança e manter-me sem dor, mas isso conto em outro capítulo pra esse artigo não ficar ainda maior.

Não estou dizendo que o Zoladex seja a solução pra todas as portadoras de endometriose, cada caso é um caso e cada organismo é um organismo.

Assim como o Allurene é uma benção pra muitas mulheres, mas pra mim não foi, o Zoladex foi maravilhoso pra mim e pra outras pode até não ser.

O importante é não desistir de buscar por novos caminhos quantas vezes forem necessário pra ter uma vida melhor e vencer a endometriose.

É o que desejo a você que também é portadora de endometriose!

Até o próximo capítulo endoamigas.


Siga-me nas redes sociais

Facebook

Instagram

Twitter

Pinterest

Denise Angeli
Denise Angeli
Sou cristã, casada e mãe de uma menina. Formada em Gestão de Recursos Humanos e líder do Ministério Adorai. Amante da arte, pratico algumas delas: Escrevo música e poesia, canto, fotógrafa e estudante de flauta transversal. E fui bailarina. Gosto de trabalhar para ajudar as pessoas. Tenho um objetivo que sigo sem descanso: Ser melhor a cada dia. Amo ler a Bíblia e vivo minha fé. Nem sempre falo dela diretamente, mas as coisas que falo e faço tem este fundamento.

2 Comments

  1. Amanda disse:

    Muito bom seu relato, o mais importante é isso, procurar novas formas.
    Acho que fui em uns 10 ginecologistas que falavam que simplesmente é assim mesmo e que eu precisava me acostumar com os efeitos colaterais.
    Pra falar a verdade ainda não achei um médico tão dedicado, mas continuo na busca.
    Abraços.

    • Denise Angeli disse:

      Olá Amanda.
      É isso mesmo continue buscando até encontrar a melhor solução e o melhor profissional.
      Aqui em SP eu super recomendo meu médico, o Dr. Rodrigo da Rosa Filho.
      Abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *