TODOS os Capítulos… Desafio da boa auto estima
08/08/2016
5 passos pra acabar com o desanimo
16/08/2016

A luta da mulher com endometriose as vezes parece não ter fim, né? Eu sei.

Após passar pela videolaparoscopia, e iniciar o primeiro tratamento, que na época imaginei que seria o único, veio a surpresa de não ter obtido sucesso.

Parti para o segundo tratamento, e nessa fase finalmente senti meu corpo reagir positivamente, porém estava limitada ao uso da medicação por apenas 6 meses pra não correr riscos.

Ao fim do segundo tratamento, partimos para o terceiro tratamento.

O terceiro tratamento, foi o mesmo que o primeiro. Fiz uso do Allurene. Com meu organismo tendo respondido tão bem ao segundo tratamento, meu médico acreditou que o Allurene conseguiria manter os resultados positivos, uma vez que, já apresentava boa melhora.

Voltar para o Allurene, me trouxe algumas inseguranças. O medo da dor voltar. O medo dos efeitos colaterais que tanto me fizeram sofrer da primeira vez. O medo da endometriose progredir…

Mas o que poderia fazer? Decidi confiar no meu médico que até então vinha se mostrando muito competente e humano. E acima de tudo continuei confiando em Deus.

Oração não faltaram durante todo o processo. Meu coração clamava ao Senhor continuamente e à medida que falava com Deus mais tranquila conseguia passar por mais essa fase com a endo.

Diferente do que meus medos inicialmente me fizeram temer, os efeitos colaterais não foram tão intensos como da primeira vez. Acredito que meu organismo já estava bem adaptado, graças a Deus.

Minha segunda vez com o Allurene não foi tão traumático como no primeiro tratamento. Ainda sentia, no entanto, o intenso calor provocado pelo segundo tratamento, onde fiz o uso do Zoladex.

Durante os primeiros meses do terceiro tratamento, que foi com o Allurene, notei que as dores não voltaram, não sei dizer ao certo se era ainda efeito do Zoladex ou se era mesmo o Allurene agindo positivamente, mas uma coisa posso dizer, fiquei bem nos primeiros meses com o uso dele.

Mas alguns meses depois comecei a sentir algumas dores novamente. E sendo ser humano como sou, temi que tudo reiniciasse, que a endometriose voltasse e que o processo pra ver sem dor recomeçasse.

Tornei ao médico e ele me falou sobre uma possível necessidade de uma segunda videolaparoscopia, caso a endometriose progredisse.

Mas sobre isso falarei no próximo capítulo.

O que quero enfatizar hoje, é sobre a importância de ter um bom médico, em quem confie. Isso é tão importante. Se você não se sente bem cuidada, busque por um médico em que se sinta bem amparada, onde o profissional se mostre competente, conhecedor do assunto e humano.

Dou graças a Deus, sempre pelo médico excelente que Ele colocou em meu caminho. Dr. Rodrigo da Rosa Filho. Sempre atento, bom ouvinte, e sempre avaliando meu caso com informação, razão e até quando preciso com intuição.

Mas acima de toda a confiança em um bom médico, quem pode nos acalmar diante dos nossos medos e aflições, diante das nossas incertezas é nossa confiança em Deus.

Mais do que uma busca religiosa e cheia de tradições, um relacionamento com Deus é do que precisamos pra sermos nutridas da força que precisamos. Deus tem sido meu verdadeiro PORTO SEGURO.

Que em nossas batalhas contra a endometriose mantenhamos nossos olhos em Deus e não nessa doença. Isso faz uma diferença enorme em como conseguimos lidar com ela.

E pra você que se sente enfraquecida, já não sabe como lidar com tudo isso, se sente com medo, que tal orarmos juntas?

Deixe nos comentários o seu nome e um pouquinho da sua história com a endometriose pra que possamos fazer um elo de oração. Orando umas pelas outras durante as próximas semanas. O que acha?

Nos vemos na próxima.

Se quiser conhecer outros relatos meus com a endometriose é só clicar aqui, tem uma página aqui no blog Forte Delicadeza, onde trato apenas sobre este assunto, a categoria EndoMulher.





Siga-me nas redes sociais

Facebook

Instagram

Twitter

Pinterest

Denise Angeli
Denise Angeli
Sou cristã, casada e mãe de uma menina. Formada em Gestão de Recursos Humanos e líder do Ministério Adorai. Amante da arte, pratico algumas delas: Escrevo música e poesia, canto, fotógrafa e estudante de flauta transversal. E fui bailarina. Gosto de trabalhar para ajudar as pessoas. Tenho um objetivo que sigo sem descanso: Ser melhor a cada dia. Amo ler a Bíblia e vivo minha fé. Nem sempre falo dela diretamente, mas as coisas que falo e faço tem este fundamento.

4 Comments

  1. Patrícia disse:

    Lindo artigo!
    Obrigado por dividir conosco.
    Descobri a Endo grau 4 há 30 dias, comecei o tratamento com ALLURENE e desejo muito ser mãe.
    Creio que par Deus nada é impossível e meu milagre chegará.

    • Denise Angeli disse:

      Olá Patricia.
      Que alegria saber que de alguma forma minhas palavras te alcançaram e inspiraram. 😀
      É verdade, pra Deus nada é impossível. Continue confiante nEle.
      Desejo que o tratamento que está fazendo tenha sucesso, que você possa em breve me contar a boa notícia da gestação.
      E que enquanto isso você se mantenha apegada ao Senhor, mesmo nos momentos de tristeza, dores e lutas. Que o Senhor seja teu alívio, teu amparo e porto seguro como tem sido comigo.
      Te incluirei em minhas orações.
      Até mais Patrícia. Beijo.

  2. Barbara disse:

    Boa noite Denise, em busca no Google sobre efeitos do allurene encontrei seus posts. Bem interessante… descobri a endometriose em 2014, usei allurene por quase 1 ano e em Setembro de 2015 fiz a videolaparoscopia. 2 meses depois voltaram todas as minhas dores, entrei com o Qlaira e 1 ano após a cirurgia repeti os exames e a endometriose voltou… voltou com o Allurene há 2 meses. Esse foi o possível resumo pela hora e pelo desgaste que essa doença trouxe pra minha vida. Estou muito triste e sinto que não tenho forças pra enfrentar! A dor nunca passa, ela me escolheu pra acordar comigo, passar o dia comigo ou dormir comigo… não está sendo fácil…. que Deus continue te abençoando…um beijo.

    • Denise Angeli disse:

      Barbara, sei como se sente, porque sinto na pele o mesmo que você.
      Dia após dia com uma dor que as vezes parece não ter fim.
      Sei como é acordar e ir dormir com ela. É triste, é sofrido!
      Não entendemos o por quê de estarmos passando por isso e muitas vezes nos sentimos fracas por não saber quanto mais isso durará.
      Somos humanas e é natural ter momentos assim. Mas quero te encorajar a não permitir que permaneça assim.
      Quanto mais nos permitimos ficar pra baixo, por conta da endometriose, mais parece que o nosso corpo se rende a ela.
      Além da fé, da confiança em Deus, e de ter um bom médico, como já lhe disse antes, há coisas que foram tão boas pra me ajudar e que acredito que também possam ajudar você.
      Fazer coisas de que gostamos sempre ajuda. Está comprovado que quando fazemos algo que nos dá alegria e prazer, nosso corpo libera endorfina que é uma espécie de morfina natural que age no nosso organismo, trazendo alívio para a dor.
      Fazer atividades físicas também provoca essa reação no nosso organismo.
      Se me permite sugerir, aconselho abrir espaço pra coisas que gosta de fazer, realmente ajuda.
      Lembro-me das vezes em que ia pra aula de ballet me arrastando de tanta dor, mas depois de alguns minutos dançando a dor sumia por completo ou quase totalmente. Depois da aula passava ainda algumas horas sob os efeitos da endorfina e dormia bem melhor.
      Não é a solução definitiva, mas nos dá momentos de alívio enquanto nos tratamos e enquanto esperamos por solução.
      Espero de todo o coração que você se sinta novamente encorajada e receba novas forças pra seguir em frente, e pra vencer a endo também.
      Um grande abraço, querida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *