Justificando minha ausência
11/01/2017
SÉRIE – O que aprendi com a maternidade
17/03/2017

Acordo pela manhã
Depois de tantas vezes durante a noite…
O corpo pesa, dói e sente o cansaço
De quem chegou ao nono mês.

O prato me nega o que seria natural comer no dia a dia…
A balança é injusta diante dos meus esforços.
O corpo não segue meu ritmo
E eu estou tão diferente.

As idas ao banheiro são inesgotáveis,
A fome que me abraça também.
Me imponho sacrifícios que nem todos entendem,
Mas dando de ombros, sigo persistente por você minha bebê.

As surpresas a cada ultrassom,
Das mudanças esperadas,
Me trazem algumas lágrimas de riso
E outras de expectativa.

E as dores, bem,
Elas surgem em cada canto meu,
Não negam que a hora se aproxima.
A hora de te ter não mais no ventre, mas no colo.

Desconfortos que parecem sem fim?
Não foram nem na metade contados
Mas ainda assim…
Me sinto tão feliz.

Uma vida se forma aqui, bem aqui,
Pra transformar a minha também.
Pra transformar meu lar em família,
Minha casa florida, meu quintal colorido.

As dores são passageiras,
Mas quanto as renúncias que fiz até agora por você,
Elas se revelam como apenas as primeiras
Do cuidado que, por amor, contigo terei.

Escolhi ser mãe, Deus aprovou e
Te escolheu pra me fazer mamãe.
Mesmo antes do teu primeiro folego ser dado
Me debruço sobre a vida de te cuidar.

Denise Angeli
Denise Angeli
Sou cristã, casada e mãe de uma menina. Formada em Gestão de Recursos Humanos e líder do Ministério Adorai. Amante da arte, pratico algumas delas: Escrevo música e poesia, canto, fotógrafa e estudante de flauta transversal. E fui bailarina. Gosto de trabalhar para ajudar as pessoas. Tenho um objetivo que sigo sem descanso: Ser melhor a cada dia. Amo ler a Bíblia e vivo minha fé. Nem sempre falo dela diretamente, mas as coisas que falo e faço tem este fundamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *