Dicas pra cuidar da casa mesmo com bebe pequeno
11/10/2017

Tem coisas na vida que nos marcam e que nos são importantes, tem coisas que valorizamos, mas que as vezes a gente não para pra pensar muito no assunto, ainda que a gente tenha em grande estimada e valor.

Aí chega a maternidade e nos faz pensar e repensar tantas coisas. Nos pegamos pensando em tempos atrás, em valores que recebemos, em coisas que hoje não abrimos mão por causa dos valores recebidos.

E nessas tantas reflexões que a maternidade nos traz uma tem ecoado repetidas vezes por aqui, e é sobre isso que quero falar com você hoje.

Tenho refletido muito sobre o valor e a relação significativa dos netos com os avós. Vivi muito perto dos meus avós maternos e isso foi de grande valor. Me foram base e exemplo que carrego o tempo todo, ainda que não pense nisso o tempo todo. Dou graças ao Senhor pelos avós que eu tive, não os trocaria por nenhum outros.

Observando os avós desta geração, e observando os avós que eu tive, penso: Onde foi que tanto mudou?

Não que não hajam bons avós hoje, não é isso, mas como alguns valores recebidos por esses familiares tão importantes se perdeu em muito ao longo do caminho?

Essa história de: Os pais servem para educar, os avós servem para estragar e mimar.

Quando foi que as coisas tomaram este rumo?

No meu tempo de criança, meus avós reforçavam a autoridade dos pais. Nos ensinavam a honrar e obedecer sempre, independente de como nos sentíssemos no momento, porque isso agradaria a Deus.

Meus avós não diziam SIM, se os pais tivessem dito NÃO. Com amor eles reforçavam o valor da obediência, ainda que eles não concordassem com o tal NÃO em questão. E a verdade é que nem me chegava ao conhecimento a opinião deles, porque o importante era o ensino e não a opinião naquele momento.

Hoje os avós ensinam os netos a fazerem caretas para os pais, a chamar a mãe de feia e velha, a chamar o pai de bobo e mau.

Não estou generalizando, mas tenho visto muitos avós, até mesmo cristãos, darem tão mau testemunho, que me preocupo com a influência que estão exercendo sobre os nossos filhos.

Sim, porque eles exercem influência. Se são presentes, exercem sim.

Os meus avós com suas atitudes e palavras deixaram marcas profundas e significativas em mim, que bom que foram boas marcas e bons exemplos. Mas, e quando não são?

Não estou aqui para julgar, mas gostaria de te levar a reflexão. Se você é avó, que tipo de influência está causando em seus netos? Porque saiba de uma coisa, alguma influência está causando!

Como pode avós ensinarem os netos a desrespeitarem os pais, mas quererem ser respeitados em sua velhice? Há discrepância aí!

Sim, aos pais está a responsabilidade de cuidar, ensinar, educar, mas os avós podem reforçar os ensinos cheios de amor e exemplo. Podem usar sua experiência e maturidade pra imprimir nos netos valores tão importante que levarão consigo durante toda a vida. Além de lhes deixar impregnado a lembrança de avós amorosos que transbordavam o que há de bom.

Quais serão as lembranças que seus netos levarão de você?

De uma avó que passava a mão na cabeça e deixava fazer o que quisesse, ainda que isso fosse em rumo diferente dos estabelecidos pelos pais?

Que teve tanto mal exemplo nessa figura familiar, tão importante, que hoje age com indiferença e descaso com as pessoas, incluindo os avós…

Será que seus filhos, noras e genros podem confiar em deixar os filhos deles com você?
Ou se deixados contigo por um pouco de tempo encontra filhos manhosos, mal acostumados, respondões, etc?

Vejamos a luz da Palavra, em Tito 2.3-5, 7 e 8:

“Quanto às mulheres idosas, semelhantemente, que sejam sérias em seu proceder, não caluniadoras, não escravizadas a muito vinho, sejam mestras do bem,
A fim de instruírem as jovens recém casadas a amarem ao marido e a seus filhos,
a serem sensatas, honestas, boas donas de casa, bondosas, sujeitas ao marido, para que a palavra de Deus não seja difamada.
Torna-te, pessoalmente, padrão de boas obras. No ensino, mostra integridade, reverência,
Linguagem sadia e irrepreensível, para que o adversário seja envergonhado, não tendo indignidade nenhuma que dizer a nosso respeito.”

Que texto lindo!!!

Fala sobre o papel das mulheres mais velhas, que já tendo vivido sua carreira como esposas e mães tem muito a ensinar. Tanto a suas filhas e noras, como aos seus netos. Afinal, já esteve no papel de mãe antes e tem experiências úteis.

Focando em alguns trechos do texto de Tito…
Avós sejam mulheres sérias em seu proceder, carinhosas, porém sérias em suas condutas. Não sejam caluniadoras nem causadoras de problemas. Sejam mestras do bem. Ensinando o que há de bom. Que você tenha uma linguagem sadia e irrepreensível, de modo a, acima de tudo, agradar a Deus.

Em resumo, seja padrão de boas obras.

Que você imprima nesta nova geração de indivíduos que tanto ama e que são seus netos, valores para a vida.
Chega dessa história de estragar os netos!
Quem disse que amor e disciplina não podem caminhar juntos?

Lembre-se de quando você estava no papel de educar. Do empenho que tinha em ensinar seus filhos.
Você gostaria de ter alguém pra estraga-los? Se coloque no lugar dos pais.

A própria Bíblia afirma que Deus corrige ao que ama (Prov 3.12). Deus não estraga, ele ensina em amor.

Os avós podem ensinar seus netos a obedecerem os pais, a honrar essa figura tão singular e ser também tão singular em suas memórias.

Que o Senhor possa falar mais ao seu coração a este respeito e isto ser visível em suas ações. Nossos filhos precisam dos avós, mas de bons avós.

Sem mais. No amor do Pai.





Siga-me nas redes sociais

Facebook

Instagram

Twitter

Pinterest

Denise Angeli
Denise Angeli
Sou cristã, casada e mãe de uma menina. Formada em Gestão de Recursos Humanos e líder do Ministério Adorai. Amante da arte, pratico algumas delas: Escrevo música e poesia, canto, fotógrafa e estudante de flauta transversal. E fui bailarina. Gosto de trabalhar para ajudar as pessoas. Tenho um objetivo que sigo sem descanso: Ser melhor a cada dia. Amo ler a Bíblia e vivo minha fé. Nem sempre falo dela diretamente, mas as coisas que falo e faço tem este fundamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *